Rede de contato

Re:Re:Mês da campanha pela despatologização trans

Anônimo | 15/11/2010

Acho válido despatologizar, mas algumas questões merecem ser pensadas em conjunto.
O fato de ter um cid transforma pessoas em doentes ou a doença está nos olhos que de assim o diz?
O que fazer com situações cuja disforia de gênero se apresenta como sintoma sem necessariamente ser transexualidade e cujos casos uma indicação cirúrgica precoce pautada pelo desejo apenas pode posteriormente psicotizar o indivíduo?
O que fazer com todo um sistema judiciário que hoje se pauta em laudos e pareceres médicos para garantir a essas pessoas o seu direito à dignidade?
Como fica o apoio ao tratamento de re-adequação por parte de serviços públicos uma vez que, em não sendo mais considerado "patológico" e / ou reparador, poderia dar magem a uma visão meramente estética comportamental e portanto não mais ter apoio do sus e semelhantes?
E os indivíduos transexuais que por motivos de defesa se resguardam na visão da doença para se sentirem seguros e respaldados de alguma forma ante a sociedade?
Não sou contrário a despatologizar, no entanto não será somente tal ato que irá tirar a carga pejorativa que a palavra transexual carrega. Tal situação é apenas a ponta de um iceberg com raízes muito mais profundas e implicações ainda maiores que merecem ser igualmente discutidas e avaliadas.

Pesquisa sobre Masculinidade

Mariana Ghetler | 15/12/2010

Bom Dia! Sou estudante de psicologia da PUC-SP e estou fazendo uma pesquisa a respeito da expressão da masculinidade em homens hetero, homo e trans, para entender se existem diferenças ou não entre as masculinidades além das individualidades de cada um. Precisaria fazer 10 entrevistas com homens trans, 10 com homens hetero e 10 com homens homossexuais (claro que isto inclui homens trans hetero ou homossexuais), de modo a ter uma amostra suficiente para poder falar a respeito, pois existem pouquíssimos dados sobre a masculinidade em geral, que dirá sobre as masculinidades de homens trans, não? Gostaria de perguntar se alguém poderia me dar uma entrevista a respeito do tema em uma conversa informal, tranquila, onde o sigilo será prezado em todos os momentos, assim como a identidade. Meu telefone é (11)8380-0240, se quiser, e meu e-mail, maghetler@hotmail.com. Agradeço muito!
Mariana

Re:Pesquisa sobre Masculinidade

Medeiros | 11/10/2011

Eu aceito te dar entrevista

Re:Pesquisa sobre Masculinidade

Silvio lucio | 20/10/2011

Mariana....sou um homem trans de origem nordestina moro em uma cidade no interior do ceara...sou tbm protagonista de um documentario q conta minha luta , e minha história se desejar me add,e poderemos então trocar algumas experiencias...o nome do documentario é ..." olhe pra mim de novo "
Abraços...Silvio .

Re:Re:Pesquisa sobre Masculinidade

Jose Pereira | 15/01/2012

Quero assistir o documentario e nao acho na internet.

mjose88pereira@gmail.com

Contato

Aline Freitas | 24/02/2011

Meu namorado é transhomem e adoraríamos ter contatos com outros trans. Sou estudante de psicologia na UFRJ, moro no Grajaú e ele em Ricardo de Albuquerque.

contatos: licafreitas@hotmail.com (MSN e email)
brchaves2010@hotmail.com

Re:Contato

IGOR | 05/06/2011

OLA PARA OS DOIS , ESTOU NO PROGRAMA DO HUPE, E COM CERTEZA TERIA UM IMENSO PRAZER DE CONHECER O SEU NAMORADO E VOCE . MEU EMIAL PARA CONTATO É : igorpsicose @hotmail.com , abraços .

conhecer transhomem

Paulo | 01/04/2011

Sou de Brasilia-DF, gostaria de conhecer transhomem para relacionamento real. beijos morfeudf@hotmail.com

contatos

natalia | 21/07/2011

sou homem trasexual tenho 18 anso estudo radiologia, gostaria de entrar em contato com homens trasexuais que ja estão em tratamento para obter mais informações e esclarecer duvidas meu e-mail : nati-way@hotmail.com

Amigos ftms

Medeiros | 11/10/2011

Sou tomboy gostaria de fazer amigos me sinto um tanto excluido

<< 1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Novo comentário


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!